Autonomia do Enfermeiro Acupunturista

Autonomia do Enfermeiro Acupunturista

Esperamos que este texto provoque alguma tensão ou desequilíbrio, para que possamos juntos pensar a enfermagem, sua autonomia e inserção nas políticas públicas de práticas complementares e integrativas no campo da saúde.

Alguns enfermeiros (as) perceberam que após a ampliação do conhecimento dos preceitos fundamentais da medicina tradicional chinesa, provocaram melhoria, na sua qualidade de intervenção junto ao cliente.

Retomemos então o conceito de “autonomia” tão almejada e pouco compreendida, embora ela já conste do nosso arcabouço legal de atuação profissional.

Sendo “anomia” onde o indivíduo é caracterizado pela  da falta de objetivos e perda da identidade.

A “heteronomia” onde o indivíduo é dependente, submisso e obediente à norma que vem de fora, ou seja, hetero= diferente, nomos=lei.

Quanto à “autonomia” o indivíduo toma para si a lei, auto= em si mesmo, nomos=lei, dar a lei a si mesmo, em outras palavras “torna-se senhor de si”.

A produção da Profa. Dra Madel Therezinha Luz, filosofa, socióloga e cientista política, nos ensina, as dimensões das racionalidades médicas, objeto da nossa digressão necessária à compreensão da potencia da acupuntura nas competências e habilidades do ser profissional enfermeiro em nossa sociedade.

Segundo as dimensões que iremos comparar com a Medicina Tradicional Chinesa e a racionalidade médica, estão assim dispostas que ainda podem ser objeto de debate e ajuste:

Cosmologia  – Tao (compreensão de forças em equilíbrio dinâmico, não dicotômicas, nem maniqueístas, mas complementares e harmoniosas entre elas).

Doutrina Médica  – Teoria dos Cinco Movimentos (envolvendo todas as interações e ciclos descritos em harmonia, ambiente, sentimentos)

Morfologia  –  Teoria do Zang – Fu (meridianos) , Corpo Sutil e Orgânico

Dinâmica Vital (Fisiologia) –  Sopros Vitais, Qi, Yin e Yang, organismo interagindo com meio ambiente

Sistema de Diagnóstico  –  Desequilíbrios Energéticos entre o Yin e Yang, identificados pelo Método dos Oito Critérios

Sistema Terapêutico    –        Desarmonias Energéticas, promove-se a autocura pela nutrição da vitalidade, através do sistema terapêutico da Medicina Tradicional Chinesa (alimentação, exercícios, fitoterapia, acupuntura, moxabustão  e massagem).

O enfermeiro acupunturista ao apropriar-se deste novo paradigma, (recente para o Ocidente mas perfeitamente incorporado no Oriente a milhares de anos), deve compor a equipe multiprofissional de saúde em todos os níveis de atenção, ampliando seu campo de atuação, promovendo melhoria da qualidade de vida em nosso meio.

Qual será nossa resposta quanto à humanização do parto? Podemos descrever inúmeras intervenções à gestante, no pré-parto até analgesia sem efeito colateral ao bebê.

Como seria a nossa atuação em comunidades terapêuticas?  Quais seriam os ganhos para todos?

Melhoraria a sua autonomia no consultório clínico? Quais especialidades podemos dar respostas?

Contamos com todas e todos que reconhecem na Medicina Tradicional Chinesa, sistema completo de atenção à saúde, sem os efeitos deletérios da racionalidade médica do modelo biomédico.

 

Autor: Aloisio Olimpio

Coren-SP 37.863

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*